Imprimir

Para os trabalhadores VW Anchieta / Brasil e Daimler-Benz São Bernardo Para o sindicato de metalúrgicos no ABC

ligado .

ICOG Kopf

8 de Janeiro 2015

Para os trabalhadores

VW Anchieta / Brasil e Daimler-Benz São Bernardo

Para o sindicato de metalúrgicos no ABC

 

Caro/as colegas,

no 6 de janeiro, por meio de trabalhadores brasileiros da GM e alguns comunicados nas mídias, ouvimos da sua greve sem prazo contra pelo menos 800 demissões na fábrica da VW em Anchieta, assim como a greve de 24 horas em Mercedes em São Bernardo.

Nós trabalhadores da indústria automobilística na Alemanha e na Espanha mandar-lhes os melhores cumprimentos e desejo-lhes todo o sucesso!

Demissões na VW – já faz tempo que essas notícias parou de aparecer na imprensa. VW se apresenta como o concorcio mais social de todos na Europa, que supostamente quer ser o melhor empregador. Especialmente pela suposta participação dos trabalhadores sobre o conselho administrativo. Mas realmente as demissões de vocês mostram que concessões sobre a participação só ocorrem quando os consórcios têm vantagens sobre na concorrência com os outros.

As demissões de Anchieta fazem parte de um programa de VW para aumentar a explotação de nós trabalhadores de auto, que na Alemanha VW o chama de maneira minimizadora “programa de eficiência". Mercedes chantageia a vários quadros com cortes salariais, terceirização/ transferência de trabalho à contratos externos. Atualmente todos os grande concorcios estão realizando programas semelhantes para aumentar os lucros e vencer a concorrência. A nós trabalhadores, isso só prejudica a nossa saúde, nós chantageiam com cortes salariais, nós divididem em trabalhadores fixos e temporários e nós destruiem a nossa existência. Só na Europa, nos últimos anos foram encerrados: a fábrica da GM em Antuérpia/ Bélgica, a planta de Fiat Imerese/ Itália, a fábrica de Aulnay Peugeot/ França, a fábrica da Ford em Genk/ Bélgica e, recentemente, no 5 de Dezembro 2014, a fábrica da Opel em Bochum, na Alemanha. Contra este encerramento, o pessoal da Opel lutou por 10 anos.

As suas greves são a lição correta que nós trabalhadores temos que aprender se queremos impor nossos interesses sobre os dos capitalistas. Nós os apoiamos de todo coração! E protestamos contra a tentativa da directiva da VW de culpá-lo por se recusar às reduções salariais, que a VW queria para salvar o seu próprio lucro diante de vendas degressivsa. Os culpados estão sentados nos escritórios das directivas, destruindo com um troque de dedos a existência de milhares de pessoas, enquanto a VW, apenas durante os primeiros nove meses de 2014, gerou receitas de 9,4 millardes EUR! Podemos aprender muito da sua votação democrática em cada turno.

Nós somos o Grupo Internacional de Coordenação para a Primeira Conferência Internacional de Trabalhadores na Indústria Automobilística, a ser realizada na Alemanha em Outubro de 2015. Promovemos e organizamos para que os trabalhadores dos setores automotivos e dos fornecedores mundialmente mostram solidariedade, para apoiar-nós mútuamente em nosas lutas, com o objetivo de coordenar as suas lutas e tornar-se uma força superior que os monopólios internacionais (info: www.iaar.de, contato: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.). Também convidamos a vocês a participar neste processo e por isso queremos ficar em contato com vocês.

Vamos trazer a público as suas greves nas fábricas da VW, Audi, Seat, Porsche e MAN, na Mercedes e em outras fábricas de automóveis na Alemanha, Espanha e internacionalmente. Vamos interpor nossa protesta na directiva de Volkswagen e Mercedes e organizar as protestas através os sindicatos. Por favor, deixe -nos saber se a empresa pretende instalar o trabalho de fura-greves.

Sua luta é a nossa luta!

Viva a Solidariedade Internacional

Jesús Armendariz (Espanha),

Jörn Kleffel (Alemanha) e

Luiz Carlos Prates (Brasil)

8 de janeiro de 2015, coordinadores do grupo internacional coordinador.