Imprimir

Carta de Informaçoes No. 2:

ligado .

Resolução final do 7° Conselho Internacional dos Trabalhadores na Indústria Automobilística (CITA) em Munique (17 a 20 maio de 2012) – para posterior
lançamento global

Trabalhadores automotivos mobilizam-se no mundo inteiro!
Estamos, desde já, a caminho da coordenação e da colaboração na luta dos
trabalhadores automotivos, em escala mundial:
Avancemos juntos rumo à I Conferência Internacional dos Trabalhadores
Automotivos em 2014/2015!

1.

Nos dias 3 e 4 de Outubro de 1998, teve início o I Conselho Internacional dos Trabalhadores Automotivos, em Colônia, na Alemanha, com 450 participantes, vindos de 10 diferentes países. Este fórum de trabalhadores, empregados, estagiários e suas famílias do sector automotivo e fornecedores de peças foi organizado de maneira independente e suprapartidária e, a partir daí, ocorreu a cada 2 ou 3 anos. O VII CITA de 2012 contou com mais do que 600 participantes de 20 diferentes países, representando vários milhões trabalhadores automotivos, em nível mundial.

O Conselho Internacional dos Trabalhadores Automotivos defende de maneira suprapartidária a solidariedade internacional e a unidade do movimento dos trabalhadores, lutando contra o capital financeiro internacional e contra as medidas aplicadas pelos governos contra a crise. A troca de experiências e de cartas de solidariedade internacional na GM, VW, Daimler, Ford e Bosch, tais quais as visitas recíprocas e a solidariedade sem fronteiras dos trabalhadores fundamentam cada vez mais a coesão e a compreensão mútua, fazendo com que haja cada vez mais confiança. Também fazem parte do nosso programa questões como o meio-ambiente e a libertação da mulher. A nossa cultura solidária de discussão e de igualdade democrática permitiu- nos esclarecer divergências e respeitar opiniões diferentes, desenvolvendo, assim, ainda mais os nossos princípios democráticos. O programa de luta de 2009 exprimiu uma crescente unificação em termos de conteúdo, sublinhando nossa responsabilidade na luta pela preservação de nosso meio ambiente.

É hora de darmos mais um passo!

2.

A prolongada crise econômico-financeira encontra-se diante de uma nova irrupção. Esta crise e toda a suscetibilidade à crise dos capitalistas que dominam o mundo agravam os efeitos pela base da vida dos trabalhadores na indústria automotiva, representando novos desafios para os seus trabalhadores. Na indústria automotiva internacionalizada trabalhamos de mãos dadas. A ganância tenta dividir-nos por sermos „concorrentes“. Sem piedade cada grupo industrial luta para ser o número 1 no mundo, explorando cada vez mais os trabalhadores e criminalizando o movimento operário. Os fundamentos naturais da vida dos homens tornam-se destruídos e uma catástrofe mundial ameaça o meio- ambiente.

O futuro da nossa juventude está em perigo.

Em todo o mundo, desdobra-se a resistência. Temos a mais inteira solidariedade para com o movimento revoltado na África, no Oriente Próximo e no Oriente Médio assim como com a luta do povo greco.

Da India à Itália, dos Estados Unidos da América à Coréia, do Brasil às Filipinas, o CITA luta para que os trabalhadores automotivos tomem em suas mãos a responsabilidade do futuro da sociedade. Não deixaremos ninguém impedir-nos ou proibir-nos de pensarmos além do sistema capitalista!

O lema revolucionário de Marx „Proletários de todos os países – uni-vos!“ Torna-se para nós cada vez mais indispensável e atraente.

3.

Temos muito orgulho de poder conclamar todos vocês a criarem conosco uma nova forma de organização, um processo que transforme simples conselhos em uma coordenação internacionalmente vinculativa dos trabalhadores automotivos. Criemos laços de apoio mútuo. Rejeitemos claramente qualquer tipo de divisão e fomento de conflitos entre os efetivos das diferentes fábricas, chauvinismo social, política de colaboração de classes, co-administração ou lutas de concorrência, travadas entre as diferentes marcas, à custa dos trabalhadores. Lutemos contra os fura-greves. Queremos solidariedade lutadora, queremos reforçar o trabalho sindical mais organizado e unido, trocando regularmente informações e experiências, organizando uma coordenação e colaboração das lutas, em nível internacional. Estamos a favor de uma colaboração entre trabalhadores de todos os ramos, entre movimentos da juventude, ecologistas, feministas e de todos os movimentos revolucionários populares, em nível mundial. Fortaleçamos a solidariedade internacional e passemos a ter lutas em comum em torno de exigências em comum!

 

4.

Criaremos até 2014/2015 todas as condições necessárias para a I Conferência Internacional dos Trabalhadores Automotivos! Desde já, estamos construindo quatro pilares:

1.) Uma reunião decisiva dos delegados, com máximo 5 delegados por país;

2.) Fóruns de colaboração dos grupos industriais;

3.) Grupos de trabalho temáticos e workshops;

4.) Um programa cultural para todos.

A transição para a coordenação dos trabalhadores automotivos baseia-se na confiança e nas decisões democraticamente tomadas na conferência internacional dos trabalhadores automotivos e nas organizações e órgãos, decididos a participar ativamente nas tarefas. Apelamos a todos e a todas a participarem dos preparativos e da realização da I

Conferência Internacional dos Trabalhadores Automotivos: representantes de sindicatos, efetivos, famílias das trabalhadoras e dos trabalhadores automotivos, todo tipo de iniciativas, associações, uniões sociais, culturais e políticos! Rejeitamos qualquer tipo de organizações de matizes fascistas, racistas, sexistas e fanáticas religiosas.

 

5.

Para futuras coordenações, propomos as regras seguintes:

* Trabalhadores automotivos mobilizam-se no mundo inteiro – esse é o lema global que nos une. Nos diversos países este movimento pode manifestar-se na fraternidade nas lutas (de classes) de maneiras diferentes.

* O nosso trabalho baseia-se e evolui a partir das cartas de solidariedade e no programa de luta, estabelecido em 2009.

* Os preparativos da Conferência Internacional dos Trabalhadores Automotivos nos diversos países inspira-se na idéia de fortalecer o movimento dos trabalhadores automotivos, tal quais as diversas formas de organização política e sindical. Fazemos apelo a todos os trabalhadores a exigir dos seus sindicatos e dos seus dirigentes a lutar junto connosco para obter os direitos dos trabalhadores e para desistir de colaboração de classes. Deliberamos a idéia da maior possível unidade sindical, sitauda acima dos partidos, antifascista, nacional e internacional. * Assumir acordos, tais quais o compromisso de colaboração, implica a obrigação de impulsionar, ativamente, a realização de tarefas no próprio país, segundo as condições e possibilidades disponíveis.

* Os participantes comprometem-se praticar uma cultura de discussão democrática, baseada no respeito mútuo e pacífico. Vamos preparar a Conferência Internacional dos Trabalhadores Automotivos no quadro de um processo de igualdade de discussão e organização internacional.

* Cada organização ou pessoa individual que assine o apelo compromete-se a participar ativamente, segundo as suas possibilidades e mobilizar os seus contactos nacionais e internacionais.

* Isso implica a responsabilidade de realização de independência financeira e sendo assim uma política ativa de finanças e contribuições financeiras para o projeto em comum. Os meios financeiros serão geridos pelo comitê de coordenação e serão sujeitos a uma freqüente auditoria.

* Realizaremos, visando a uma unificação mais forte, segundo as possibilidades, mais assembléias nacionais dos trabalhadores automotivos nos anos 2013 e 2014, para eleger delegados e para os preparativos da Conferência Internacional dos Trabalhadores Automotivos!

* Para preparar o conteúdo e a organização da I Conferência que vai ter lugar em Sindelfingen/Alemanha, criamos um Comitê Internacional de Coordenação que será constituído por representantes de 9 diferentes países. * Para a divulgação recíproca de informações, dispomos de uma homepage que deverá ser utilizada e elaborada cada vez mais. Um país gerirá as questões administrativas na fase dos preparativos da I Conferência Internacional dos Trabalhadores Automotivos, em nome do grupo de preparativos.

* A língua de trabalho provisoriamente definida será o Inglês.

Avancemos juntos na unidade internacional dos trabalhadores!